03/08/2017

Renato Teixeira, o "Carão"

Herança de família, o espírito de jogador de futebol segue nas veias de Renato Teixeira

Carão sempre será um atleta do futebol
Herança de família, o espírito de jogador de futebol segue nas veias de Renato Teixeira, um dos ídolos do Esporte Clube Lajeadense
Depois de passar por diversos clubes, um deles o Lajeadense, e ser campeão brasileiro pelo Bahia, Renato Teixeira (57), o “Carão”, se aposentou, mas segue na ativa driblando o tempo e o corpo para jogar o seu futebol.
Carão, como era chamado dentro de campo, ainda vive e sobrevive com o futebol. Depois de ser jogador profissional, ele investiu em times do master (acima de 50 anos) e também na carreira de treinador.
Hoje, mora em Farroupilha e treina o time sub-17 da cidade. Mas garante que está recebendo propostas de outras equipes para seguir na nova carreira. “Sempre vivi o futebol, herança da minha família, que era toda formada por jogadores de futebol, começando pelo meu pai, Erni Teixeira da Silva, e seguindo pelos meus irmãos.”
Essa influência familiar foi que levou Teixeira a seguir nesse ramo. E foi cedo. Com 13 anos, já disputava os primeiros torneios oficiais. Logo depois, em 1977, ingressou no time em que o pai era presidente, a Lajeado Associação de Esportes. Como não tinham recursos financeiros, naquele ano, não se classificaram para a Primeira Divisão do campeonato.
Em 1978, jogou no primeiro semestre no Estrela Futebol Clube, que era uma equipe conhecida no Estado. Conta que um olheiro do Inter foi a uma partida, o viu em campo e logo no segundo semestre o levou para o juvenil do Inter de Porto Alegre, onde ficou até dezembro de 1979. Com 17 anos, Carão já era uma sensação no esporte por fazer muitos gols e estava em um dos principais times gaúchos.
Em 1980, ele voltou para Lajeado e jogou no Lajeadense por um ano. Depois, em 1982, seguiu para o Esporte Clube de Novo Hamburgo e ficou até julho. No segundo semestre, já rumou para o Paulista de Jundiaí, em São Paulo. Em 1983, jogou no Futebol Clube Santa Cruz, onde ajudou o grupo a ficar campeão da Segundona Gaúcha e subir para a Primeira Divisão do Estado.
De 1984 até 1986, ele entrou para o time de Sampaio Corrêa Futebol Clube, do Maranhão, onde ficou tricampeão e goleador. Sua carreira estava no auge e, por isso, foi contratado em 1988 pelo Itaperuna Futebol Clube, do Rio Janeiro, onde ficou ainda mais conhecido e, logo no segundo semestre, já foi comprado pelo Bahia.
Aquele ano foi especial para Carão. Ele viveu uma de suas maiores alegrias no futebol. Além de ficar campeão estadual, conquistou o título mais importante do país, o Campeonato Brasileiro, e foi contra seu time do coração: o Internacional de Porto Alegre.
“Lembro bem desse dia. Quando entramos no vestiário do Beira-Rio antes da partida, havia galos pretos no chão. O Inter tentou fazer uma macumba contra nós, mas não adiantou, vencemos a partida e ficamos campeões.”
No ano seguinte, ele foi jogar no Vitória e disputou o título do campeonato estadual contra o Bahia, onde foi um dos jogadores decisivos para conquistar o título. Em 1990, voltou para as regiões dos vales, no Avenida de Santa Cruz. Em 1992, jogou no Brasil de Farroupilha, onde ficou campeão da Segundona Gaúcha e goleador.
Em 1993, voltou para o Lajeadense, time no qual fez um excelente Campeonato Gaúcho. “Ficamos em 4º lugar porque a federação tirou cinco pontos nossos.” Em 1994, jogou no Palmeirense de Palmeira das Missões; um ano depois, no Guarani de Venâncio Aires. E em 1996, aos 37 anos, decidiu encerrar a missão de ser atleta profissional.
Equipes em que jogou
1977 - Lajeado Associação de Esportes (Lajeadense)
1978 - Estrela Futebol Clube
1978 - Inter de Porto Alegre (juvenil)
1980 - Lajeadense
1982 - Esporte Clube de Novo Hamburgo
1982 - Paulista de Jundiaí-SP
1983 - Futebol Clube Santa Cruz do Sul
1984 até 1986 - Sampaio Corrêa Futebol Clube do Maranhão
1988 - Itaperuna F.C-RJ
1988 - Bahia
1989 - Vitória
1990 - Avenida de Santa Cruz
1992 - Brasil de Farroupilha
1993 - Lajeadense
1994 - Palmeirense de Palmeira das Missões
1995 - Guarani de Venâncio Aires
1996 - Encerrou a carreira de atleta profissional
Passagens: Colo Colo do Chile, onde jogou com atletas da Seleção Chilena, como Roberto Rojas (goleiro do Maracanã), Pizzaro e Astengo
Principais títulos
- Campeão brasileiro
- Duas vezes campeão da Segundona Gaúcha
- Tricampeão de Maranhão e goleador
- Duas vezes campeão estadual da Bahia
Texto: Carine Krüger